Rss Feed
  1. FIM DE DIA

    04/07/2008

    Por: Cris Costa

    E
    nquanto espero;
    Numa imensidão de coisas passo a pensar;
    Gordurinhas que preciso perder; isto é, eliminar...
    Amigos para quem preciso ligar;
    Roupas que preciso lavar.
    Rádio ligado: rock, pop, salsa e merengue;
    Avanço um pouquinho;
    Freio um pouquinho....
    A pessoa no carro ao lado me observa; mas segue seu longo e lento caminho,
    Música alta é minha companhia;
    Eu canto muito mal, mas, mesmo assim eu canto!
    Na verdade ninguém me ouve, o vidro está fechado;
    Tô nem aí!!! Quero mais é chegar em casa, tomar um bom banho e dormir...
    Ora, afinal, este é mais um dia que chega ao fim...logo, logo é Sexta-Feira!Oba!!!

  2. 4 comentários:

    1. ahahaha fazer acrósticos em engarramentos parece ser um passatempo interessante. Cada dá o seu jeito de aguentar as filas ehehehe

    2. Medéia disse...

      Cada dia gosto mais dos seus textos Cris!
      Despretencioso, engraçado, charmoso...
      Fora que adoro acrósticos.
      Bjos
      PS.: Tô desde ontem tentando pôr um comentário aqui... YUHU!

    3. Viviane Bastos disse...

      Oi, Cris

      A espera vive de enquantos...para não estressar dá-lhe passatempos, jogos mentais, verbais, e o que a criatividade aprouver para banir o engarrafamento cerebral. Seu texto retratou isso, ao meu ver, sob um viés inesperado. Gostei muito.;)

    4. disse...

      Eu também gosto muito de acrósticos. Abordou o tema de forma bem interessante, Cris.Retratou de forma humorada o que todos passamos em nossas idas e vindas por ruas, vias, estradas.
      Acertou em cheio! Parabéns!