Rss Feed
  1. Chuva de Verão

    12/08/2008

    por Medéia
    Imagine um verão.
    Não um inverno como o dia de hoje, mas um verão quente, ensolarado e tremendamente úmido. Céu limpo e sem nuvens. Calor sufocante que nos faz suar.
    Férias de verão.
    Você nem mesmo vê o dia passar. É criança ainda, rodeada de outras crianças.
    Brinca de esconder, de corrida de bicicleta, de bandido e mocinho, de tenda árabe (no varal da sua avó), de pegar, de bambolê, elástico e muitas outras brincadeiras em apenas um dia.
    Olha para o céu azul, esperando a chuva mas não vem nada.
    Continua a brincar esperando o tempo passar.
    À tardinha um banho de mangueira para diminuir o calor. Imitando a chuva tão esperada, vocês a penduram na amoreira e correm embaixo da árvore para lá e para cá.
    Primeiro um banho para limpar as traquinagens do dia. Depois a roupa mais fresquinha e então todos no muro se atracam a comer melancias geladas.
    Jantar e então assistir filmes na televisão. O calor é muito intenso ainda para dormir.
    O vento norte começa a soprar na rua.
    Você já está sorrindo: ela está chegando.
    Mais forte ainda sopra o vento quente que vai trazer o que você esperou o dia todo.
    E de repente, pingos tão grossos que parecem pedras, batem no telhado com um barulho crescente e ensurdecedor. Neste momento todos correm e buscam roupas de banho.
    Quando o barulho diminui, e com ele a chuva, ouve-se o coaxar dos sapos.
    E é nesta hora que a diversão começa.
    Aplacar o calor do verão com um banho de chuva à meia-noite.
    Brincar novamente, mas sem brinquedos, somente água.
    Correr atrás dos sapos, pular as poças, rodar olhando para cima e vendo os pingos cair.
    As chuvas de verão são sempre assim, apaixonantes.
    Seja para você ou a criança que ainda há dentro de ti.

  2. 7 comentários:

    1. Cris Costa disse...

      Medéia,
      Seu texto está simplesmente delicioso, se assim posso descrevê-lo.
      Senti cada palavra, cada sentimento.
      Voltei uns....(deixa para lá) anos e recordei perfeitamente de minha infância.
      Menina, você só não escreve poemas porque não quer, pois talento você tem de sobra.

      Parabéns!! Lindo texto!!

      Bjs

    2. Vivi Bastos disse...

      Chuvas de verão dá uma boa prosa. O que prova seu texto. Tão bem ilustrativo cujas imagens saltam das letras e tomam a mente com a saudade gostosa dos bons tempos. Nas chuvas de verão realmente a gente se pueriliza.

      Gostei muito mesmo!

      Beijos

    3. disse...

      Medéia,
      Já senti a brisa da chuva...
      Cheiro de infância, de coisas boas. O seu texto transmite paz e purifica a alma.
      Leve, singelo e agradável de ler.
      Despertou a criança dentro de mim.
      Obrigada!

    4. Fernanda disse...

      Legal Medéia!!!
      Gostei do enfoque e da narrativa...simples e bem aplicado
      Parabéns!

    5. Lyani disse...

      Apaixonante!!!!
      Como as chuvas de verão...
      parabéns!
      bjos

    6. Medéia,

      obrigada por me lembrar da minha infancia...

      Ficou ótimo....

    7. Mica disse...

      Muito bonito e bem descrito!
      Além de recordar a infância, me senti personagem....
      Beijos, Mica