Rss Feed
  1. Período de Votação: 23/08 a 25/08

    Por Lyani
    Inspirado no Mangá Angel Sanctuary de Kaori Yuki

    "Eu sinto saudades de você”, me permiti dizer outro dia, no meio de uma refeição solitária, à noite, em frente à TV. Disse baixinho, como se fosse um pecado... E era. Quem inventou o pecado? E por que justamente aquele sentimento sufocado em meu peito tinha que ser um pecado? Uma lágrima se soltou dos cílios pesados e eu não quis erguer a mão para enxugá-la, porque sabia que esse gesto só traria outras mais.

    Imóvel, com o coração latejante, permiti que sua presença invisível se apossasse de minha mente e de meu corpo. Simplesmente não pude impedir você, que mesmo estando tão longe e distante, surge tão forte. Sinto como se você segurasse minha mão vacilante, secasse a lágrima do meu rosto pálido com o polegar, me olhasse conhecendo-me como se estivesse dentro de mim. E eu mergulhando em seus olhos de mel, chá e biscoitos de leite, numa tarde resplandecente em que nada disso fosse, de fato, um pecado mortal.

    Imaginei seus braços rodeando meu corpo, puxando-me para mais perto, encostando nossos corações, já unidos pelas batidas ritmadas de culpa e de amor. E seus lábios encostariam displicentes em meu ombro, quando você deitasse seu rosto sobre ele. E seus cabelos de tons claros roçariam meu rosto, trazendo seu perfume para mais perto, me entorpecendo, me fazendo suspirar e escorregar mais para dentro do seu abraço. E eu desejaria que fosse mentira aquele pecado que nos aquecia a pele, e que não fossem reais aqueles laços que nos uniam de uma forma tão cruel: juntos para sempre, separados para sempre.

    Eu não tinha mais qualquer poder sobre meus pensamentos quando imaginei uma vida juntos, distante daquele mundo que nos condenava: uma casa singela, grama verde, flores e, quem sabe, duas crianças correndo pela casa, com seus risos ecoando entres os lindos raios de sol adentrando a janela. Você, sentado no sofá com aquele sorriso todo seu, me puxaria para seu colo e encostaria seus lábios macios nos meus, num beijo sem culpa, sem peso, sem dor. Só o amor nos cercando por todos os lados.

    Mas então, quando dei por mim, era tarde demais para amainar a dor. Me vi sozinha na sala, de novo, o rosto molhado de lágrimas, o coração repleto de vazio, medo e culpa. Onde você está nesse momento? Será que pensa em mim também? Essa distância e ausência doí tanto, como se uma parte de mim tivesse sido levada pra longe.

    Num impulso, levantei-me, revoltada contra aquele mundo hipócrita e cheio de imposições. Não me lembrei do prato no colo e o vidro estilhaçou no chão em trezentos e trinta e sete pedaços. Em trezentos e trinta e sete pedaços também estava o meu coração. Abaixei para recolher os cacos, cortando-me acidentalmente. Fiquei imóvel, observando o sangue escorrer por minha mão e pingar no chão claro da sala. Aquela comunhão entre plaquetas, glóbulos vermelhos e brancos que desde sempre designaram meu destino, minha sentença cruel.

    Aquele mesmo sangue, idêntico, que corre por suas veias também. Esse é o meu pecado mortal: o amor. E por isso doí tanto. Como o amor pode ser um pecado? E é. Isso nunca mudará, como jamais mudará a composição de meu sangue, como jamais mudará o meu amor por você, o meu irmão.

  2. 5 comentários:

    1. Robson Ribeiro disse...

      Vi um pequeno filme, um curta-metragem após a leitura do seu texto.
      Forte, corajoso e impactante.
      Desejo agora que a minha semana seja tão intensa quanto as suas palavras.
      Parabéns!

    2. Cris Costa disse...

      Ly!!
      Que texto forte! Acho que este desafio mais uma vez deu ótimos frutos.
      Seu texto tem tanto desejo, uma sede de amor, insaciável...excelente desencadeamento de emoções.
      A-d-o-r-e-i!!!
      Parabéns!!

      Bjs

    3. mto bom! o laço dos dois foi tão bem desenvolido q dispensava o "o meu irmão" final. bem legal.

    4. Vivi Bastos disse...

      Ly,

      Não conheço o mangá mas, achei interessante usá-lo como substrato para sua criação. Fato é também que a temática abordada tem origem no mundo real. Seu texto, claro, suscita polêmicas e vai contra a corrente e, acredito, que sabendo disso, você procurou atenuar a crueza da situação sobrelevando a sua escrita sutil, delicada e apurada. Mexer com tabus exige coragem. O que você demonstrou muito bem.

      Não vou mentir...rs
      é um tema que entra conflito com minha visão de mundo.

      No mais, tenho só a congratulá-la pela leveza administrada ao longo do texto.

    5. disse...

      Ly, não resta duvidas que o texto é polêmico, mas você instiga o leitor a querer entender a relação entre as personagens. O drama psicológico tratado em sua produção é bem trabalhado. Ponto para você por ter tido a coragem de abordar o tema por esse enfoque.
      Com esse texto você se permite ousar e consequentemente traz à tona um estilo diferente do que vem sido adotado nos textos anteriores. Muito bom!! Abs, Rê