Rss Feed
  1. Prometi
    Nunca amar demais
    Mas amar é incondicional
    E eis que não consegui
    Minha promessa cumprir


    Prometi
    Trabalhar menos
    Viajar mais
    E mais uma vez não consegui
    Minha promessa cumprir


    Prometi
    Ser voluntária
    Jogar minha agenda fora
    Só não consegui
    As promessas cumprir


    Prometi
    Me alimentar corretamente
    Caminhar diariamente
    Mas no fim
    Não consegui, estas promessas cumprir


    Prometi...
    Prometi...
    Prometi...
    Prometi...
    Prometi...


    Prometi
    Não mais prometer
    Só me esqueci que
    Ao prometer não prometer
    Quebrei a promessa.


    Por: Cris Costa

  2. 7 comentários:

    1. Amei Cris, ficou show de bola, adorei o poema e cada palavra escrita...bjus elis

    2. Vivi Bastos disse...

      De algum modo a promessa está ali caminhando ao lado da esperança. Faz parte da vida, fazer e quebrar promessas. E o dilema representado na idéia da repetição insistente de um vício (ou será virtude?) ficou bem apresentado no texto. E fiquei impressionada com a concisão. ;)

      Beijos

    3. lyani disse...

      Cris,
      Muito bom o poema, desenvolveu a idéia super bem e finalizou de forma perfeita!
      Mas tenho que dizer que sou fã mesmo é dos seus contos... ADORO!
      Bjoss,
      Ly

    4. Meio "Epitáfio" dos titãs. Interessante. Um q de esperança, como disse a vivi, mas distante, ainda inalcançável.

    5. fabioricardo disse...

      Gostei bastante, e como o Rodrigo disse ali em cima, logo no início do texto a música dos Titãs já me veio à mente.

    6. disse...
      Este comentário foi removido pelo autor.
    7. disse...

      cris,
      Promessas, promessas, promessas.
      Todo ano é sempre assim.
      Embora a idéia que permeia o texto não seja original, já dou dez por você ter escrito um poema. Também gostei da forma concisa como você trabalhou o texto.
      Parabéns!!!