Rss Feed

  1. De Fernanda Soares

    Tema: Imagem e texto

    Período de votação: 18/08 a 20/08



    Era um fim de semana que prometia ser ensolarado e ele tinha decidido aproveitar o domingo. Afinal, não era todo dia que acordava tão bem disposto e não queria perder essa oportunidade.


    Toledo era assim por dizer um 'partidão, chegara à meia-idade em perfeita forma e solteiro. Tinha belíssimos olhos azuis, cabelos muito claros e um corpo de deixar a velhinha do 308 de dentadura caída. Não havia uma mulher que não olhasse aquele ex-policial duas vezes. O pior é que ele não dava importância a isso. Era bom aquele homem...Um monumento!


    Abandonara sua carreira quando seu parceiro morreu em troca de tiros com bandidos em Vigário Geral e dali em diante, pegou pra si a obrigação de sustentar a viúva e os trigêmeos. E assim ele vinha vivendo sua vida como Deus mandava. Por vezes viajava a trabalho, saía com amigos, brincava com os afilhados, consolava sua amiga viúva e mal tinha tempo pra si. Até aquele dia que decidiu dar uma caminhada pelas trilhas da Floresta da Tijuca.


    A manhã surgiu em todo seu resplendor. Toledo acordou num sobressalto, retirou de cima do peito o livro de Mitologia Celta que estava lendo até tarde na noite passada e havia adormecido segurando. Tomou banho, preparou seu desjejum e foi pegar o metrô para a Tijuca onde se encontra a linha de ônibus que sobe o alto da Boa Vista. Chegou à Floresta, caminhou pelas trilhas e nesta rotina passou o dia todo. De vez em quando, sentava-se para descansar e pensar na vida.


    Entardeceu e ele nem tinha sentido, pois seu dia estava ótimo. Toda aquela natureza calma estava lhe fazendo bem. Quando já se aproximava o momento de descer, um canto lhe chamou atenção. Aproximou-se pra escutar e observou que além do canto, som de tambores acompanhavam e faziam um verdadeiro barulho entre as matas ...


    Não resistindo passou a seguir em frente pra descobrir do que se tratava. Ao chegar lá, se deparou com uma cena que jamais esperava encontrar. Ainda mais no Rio de janeiro, parecia cena de filme.


    O desconcerto e a curiosidade eram intensos. Jamais tinha visto aquilo.Verdadeiras mulheres que mais pareciam ninfas, se agrupavam em volta de um caldeirão em chamas com um altar improvisado e no centro focalizava-se uma verdadeira amazona. Ela não só era linda com aqueles cabelos negros e olhos verdes, como cantava como um rouxinol. Aquela majestosa voz eriçava seus cabelos e a melodia desconhecida completava sua alma.


    Toledo ficou observando aquela cena, não sabia se era macabra ou divina. Estava hipnotizado por aquelas 'Adoradoras de Macha'. Permaneceu observando-as em seu culto pagão até escutar seu nome. Não acreditava como, mais aquela mulher pedia que se aproximasse...


    Descoberto de seu esconderijo entre as folhagens, caminhou em direção a aquela criatura metade mulher, metade deusa, e ela lhe disse o quanto sua presença era esperada. Explicou-lhe que ele representaria a essencia masculina, como um macho divino e juntos celebrariam o grande rito. Seriam naquele momento, a encenação ancestral dos amantes que se unem pra benzer a terra. Este ao escuta-la, nem pensou duas vezes dado o seu encantamento. Deixou-se conduzir para o círculo totalmente embevecido. Participou de todo o ritual doando à estranha seu sêmen sagrado.


    Jamais viu tamanha beleza ou sentiu tamanha necessidade de alguém. Sentia-se enfeitiçado por aquela mulher e levado pela cadência de sua voz chegou a um êxtase total. Naquele local perdido, nada importava. Apenas folhas balançavam...Escutava-se som de bichos...Barulho das águas...tambores e nada mais.


    Toledo acordou num sobressalto, retirou de cima do peito o livro de Mitologia Celta que estava lendo até tarde na noite passada...Sonhara e sua diva não passava de uma ilusão. Seus dias continuariam escuros e não escutaria aquele maravilhoso canto. Parecia um herói perdido em combate no reino da morte...




    Macha – Deusa irlandesa venerada nos templos de Emain Macha, em Ulster. Sua voz enfeitiçava os homens nos campos de batalha, atraindo-os para seu escuro reino da morte.Conhecida como a Rainha dos Fantasmas

  2. 7 comentários:

    1. Cris Costa disse...

      Fê,
      Excelente uso de imagem e texto.
      Você foi a primeira a postar e já fiquei encantada. Achei sua imagem tão "misteriosa", e foi brilhantemente associada a um conto tão surpreendente!!! Quanta imaginação. Me fascina o uso de mitologia. Adorei.

      Parabéns!!!

    2. Lyani disse...

      Gostei bastante da mitologia envolvida no texto. O ar misterioso, e a foto combinando, ficou realmente ótimo!!!
      Parabéns!
      Bjos
      Ly

    3. Medéia disse...

      Gostei do texto, Fê...
      Tem muito a ver comigo.

      E a foto está DEZ!

      Bjos

    4. Vivi Bastos disse...

      Para mim é um sensação rotineira sentir-me envolvida pelo universo fantástico que a leitura propricia.

      O texto está ótimo e tornou-se um ótimo intérprete da imagem retratada.

      Valeu!

      Beijocas

    5. curti o lance da mitologia celta. é uma área sempre me fascina. não fui fã do final, no entanto.

    6. disse...

      Fê,
      Não tenho conhecimento do assunto Mitologia Celta, mas percebi evolução em seu texto
      Parabéns, girl!
      Bjs...Rê